emagister Cursos Gratis
Encuentra tu siguiente formación

Tavira Fenícia. O território para Ocidente do Guadiana, nos inícios do I milénio a.C.

Monografias
Na campanha de escavações realizada em 1997, na colina genética de Tavira, o Alto de Santa Maria (1), pusemos a descoberto um troço de larga muralha de alvenaria de pedra calcária aglutinada com barro ...  ver todo
Tipo: Monografía
Fuente: www.emagister.com
Formato: Adobe PDF , 1373 KB
Idioma: Portugués

Para descargar este curso, compártelo en Facebook o menciónanos en Twitter. ¡Que se entere todo el mundo! :)

o si prefieres, crea una cuenta Emagister o entra con la tuya

¿Quieres aprender todavía más... pagando un poco?
Mailxmail
Monografía Online
Publicaciones Uoc
Arqueologia, museus i realitat virtual
Publicaciones Uoc | Gratuito
Monografía Online
Comunidad Emagister
La historia de Ramsés I
Comunidad Emagister | Gratuito
Tutorial Online
Recursos Online
Historia de las Arte Visuales I
Recursos Online | Gratuito
Tutorial Online

Los usuarios que vieron este curso también se interesan por...

Publicaciones Uoc
Online Gratuito
Comunidad Emagister
Online Gratuito
Recursos Online
Online Gratuito

Temario ↑ subir

Tavira Fenícia. O território para Ocidente do Guadiana, nos inícios do I milénio a.C.
Na campanha de escavações realizada em 1997, na colina genética de Tavira, o Alto de Santa Maria (1), pusemos a descoberto um troço de larga muralha de alvenaria de pedra calcária aglutinada com barro, que classificamos como fazendo parte de um conjunto defensivo fenício, não só pelas suas dimensões, como ainda pelo espólio que lhe estava associado.

Tavira, situada na margem direita do rio Gilão, tem uma localização ideal, no que respeita ao domínio da foz deste rio que, não formando um delta, desagua Numa zona de sapais que comunicam com a Ria Formosa.

A colina de Santa Maria tem a sua cota mais elevada cerca de 20 m. acima do nível do mar, formando uma possível paleopenínsula, num ponto em que a água do mar invade o leito do rio, tornando-o perfeitamente navegável, na maré cheia. No seu sopé, os navios podiam fazer aguada, abastecendo-se de água doce e potável, num ponto onde hoje ainda existe uma fonte, alimentada por uma nascente que mana do topo e onde os olhos de água brotam no leito...